MANIFESTO -  O GALISMO NO MUND0

                                          Desde a mais remota antiguidade escontram-se registros de ser o galismo uma das mais antigas práticas e, consequentemente, tem suas raízes no inicio da cultura dos povos. Com o decorrer dos tempos, tendo o seu "habitat" natural devastado pelo homem, essas espécies só conseguiram sobreviver devido ao fascínio que sempre exerceram por sua coragem, seu incomparável vigor físico e por sua beleza.
Acompanharam guerreiros nas batalhas e descobridores nas caravelas no passado, ajudando a escrever a história das glórias humanas , e hoje, no presente, propiciam o MAIOR BANCO GENÉTICO DA AVICULTURA MODERNA sem o qual, provavelmente, seria impossível desenvolver novas variedades, principalmente comerciais, tão importantes para a economia, o agro- negócio e a alimentação humana.O galismo moderno, longe de ser uma atividade sanguinária, como pregam alguns, procura principalmente a preservação dessas espécies, aprimorando e conservando os DIFERENCIAIS , respeitando os direitos dos animais, aceitando a belicosidade natural deles como inerente, sem querer transformá-los em uma espécie descaracterizada e moldada dentro de padrões morais que a própria humanidade não consegue seguir entre os seus próprios membros.
Talvez o galo de briga seja justamente perseguido por esse motivo: Ele luta porque tem coragem, nasceu com ela e orgulha-se como criatura criada por Deus , ao contrário dos homens que lutam por poder, ganância e precisam inventar armas cada vez mais poderosas porque sentem-se cada vez mais fracos como criaturas...
É inconcebível querer extinguir essas espécies com o propósito "simplista" de querer acabar com as brigas de galos! Galos não seguem as nossas leis: então devemos acabar com eles?
Por quê não se faz uma discussão séria, longe dos holofotes da mídia, para conhecer melhor essa questão?
Primeiro de tudo, o Brasil, na América Latina, talvez seja o único país onde não existe lei que regulamente devidamente o esporte e a criação! Até países como Alemanha, Holanda, EE.UU, têm legislação específica sôbre galos combatentes que regulamentam e fiscalizam! Isso é absurdo levando-se em conta a quantidade de criadores existentes em nosso país e que ficam como que marginalizados e, o que é pior, repudiados como marginais por pessoas que têm acesso esporádico à mídia e a usam com o intuito de desinformação e difamação!
Nenhum criador sério quer a liberação indiscriminada das rinhas como antros de jogo ou lugar de carnificinas. O que se deseja é a DISCUSSÃO e a REGULAMENTAÇÃO, afinal quem tem que ser controlado em seus baixos instintos é o homem, não os animais, mesmo porque eles não os possuem...

Eduardo A. Seixas